Quantidade de leitores do nosso Feed

Receba nossas novidades digitando e cadastrando seu e-mail:


1 usuário navegando nesta página. Usuários: , 1 visitante,

A multidimensionalidade da Vida

Como espíritas, faz parte dos princípios que esposamos a certeza na imortalidade da alma. Vai além da mera crença porque esta certeza foi e é experimentada por pessoas comuns, diariamente, além de terem sido também comprovadas por pesquisadores idôneos. Após a morte física, a consciência que habitava o corpo inerte continua viva, pensante, “sentinte” e até “agente”. O que queremos dizer é que o Espírito continua existindo em sua individualidade, se expressando em corpo sutil (o perispírito), conforme a dimensão também  sutil em que agora interage.

Quando encarnados, estamos na 3ª dimensão, embora possamos em alguns momentos acessar as dimensões imediatamente superiores, porque nossa consciência (que é uma só, feito o Espírito) tem uma parte ancorada nas dimensões inferiores (1ª, 2ª e 3ª D) e outra parte reside nas dimensões superiores (da 4ª acima). Ambas partes da nossa consciência coexistem, ao mesmo tempo.

Ao desencarnarmos, adentramos de imediato na 4ª dimensão, quando estaremos invisíveis, inaudíveis e intangíveis para os que continuam enraizados na 3ªD, mas continuamos a nos entender que somos aquele que esteve encarnado com aquele nome, com os vínculos familiares etc.

É possível ainda que os Espíritos desencarnados (nós amanhã), mesmo vivendo na 4ªD, possam ser percebidos e notados por sensitivos residentes na 3ªD, que são os médiuns. A percepção da presença de Espíritos na crosta terrestre pode se dar por variados motivos e intenções dos desencarnados.  Enfim, para ajudar um pouco na compreensão das multidimensões, compartilho dois videos legendados em português, “Imaginando a Décima Dimensão“, do compositor canadense de trilhas Rob Bryanton.

    This entry was posted in Reflexões, Video and tagged , , , , , , , , . Bookmark the permalink. 6.806 visualizações.

    12 Responses to A multidimensionalidade da Vida

    1. Janio says:

      Caro Maxwell,
      Não existe intromissão, sobretudo quando vc indica um texto bem interessante. Vou lê-lo com calma. Abs e seja sempre bem-vindo!

    2. Eugênia says:

      Janio,

      A propósito dessas dimensões, há uma dúvida que me acompanha: Porque fala-se que esta dimensão é a terceira?? De acordo com os físicos, este mundo constitui a QUARTA dimensão – 3 dimensões de espaço (largura, altura e profundidade) e 1 dimensão de TEMPO (a temporalidade, aliás, é uma característica forte da vivência na carne e segundo relatos de Espíritos desencarnados o tempo para eles é diferente).

      Pra mim, todas essas dimensões podem ser acrescidas de uma unidade, sem problema, para que não haja discrepância com a Física.

      Paz e Bem !

      • Janio says:

        Oi, Eugênia!
        Vou pesquisar mais sobre este tema, no qual admito não ter ainda a devida segurança. De qualquer forma, arrisco de já dizer que as 3 dimensões são restritas ao aspecto material, ao passo que a 4ª (tempo) é algo perceptível pela inteligência, pela consciência ou pelo ser imaterial, o Espírito que somos.
        Abs.

        • Maxwell Teixeira says:

          Boa tarde, Jânio. E desculpe, se for o caso, a minha "intromissão".
          Penso que o texto que segue abaixo em link ajuda nessa reflexão.
          Um abraço, Maxwell
          http://analisesespiritas.blogspot.com/2011/08/alg

          • Eugênia says:

            Caro Maxwell,

            Sou grata por este link, gratíssima. Procurei lê-lo com muita atenção. De fato, com freqüência ouvimos em palestras espíritas que a Física Quântica isso, a Física Quântica aquilo, por pessoas que , em geral, não sabem direito o que é Física Quântica (e eu me incluo neste grupo, embora eu tenha cursado dois anos de bacharelado em Física). Penso que devemos ter cautela. Há resultados científicos, Leis, que possuem, a meu ver, ANÁLOGOS morais/espirituais, mas isso não constitui uma prova científica de que moralmente/espiritualmente essas leis agem dessa forma. É mais uma interpretação do que uma demonstração. Exemplo: as próprias Leis de Newton da Mecânica Clássica, mais precisamente a Lei de Ação e Reação. Eu, como ESPÍRITA, creio na lei de Causa e Efeito. Mas com o olhar da Ciência, ainda não se comprovou, cientificamente (nos moldes que a Ciência dita, dentro das Academias) que alguém que mata com a espada, perecerá com a espada.
            Contudo, é importante deixar claro (e isso o artigo não deixa), que uma vez que há a realidade espiritual, ela será um dia comprovada, estudada e desvendada dentro do rigor das academias e com toda a cautela de que se vale a ciência. Mas isso ainda não ocorre. Mesmo porque, os cientistas não estão (ainda) em busca de comprovar ou traduzir em equações matemáticas algo em que eles não acreditam. Uma parcela considerável dos cientistas AINDA é materialista. O Prof. Amit Goswami é exceção (e fala de sua interpretação: é o seu olhar, enquanto cientista e espiritualista, interpretando as leis da Quântica ).
            Paz e Bem,

        • Eugênia says:

          Acho que entendi o que você colocou, mas não há, neste mundo, como fazer essa separação. O velocímetro do seu carro, por exemplo, marca a velocidade com que você anda em KM por HORA, não ??? Em casa, ou no pulso, temos instrumentos de medição do tempo, que é tão abstrato quanto uma medida de comprimento ( por exemplo, a famosa diagonal do quadrado de lado 1, que os gregos pré-socráticos já sabiam ser um número que não se pode medir, a raiz quadrada de 2 ).

          Paz e Bem!

        • Eugênia says:

          Acho que entendi o que você colocou, mas não há, neste mundo, como fazer essa separação. O velocímetro do seu carro, por exemplo, marca a velocidade com que você anda em KM por HORA, não ??? Em casa, ou no pulso, temos instrumentos de medição do tempo, que é tão abstrato quanto uma medida de comprimento ( por exemplo, a famosa diagonal do quadrado de lado 1, que os gregos pré-socráticos já sabiam ser um número que não se pode medir, a raiz quadrada de 2 ).

          Paz e Bem!

          • Janio says:

            Realmente, Eugênia, não há como separar e sim lembrarmos que a cada "subida" de nível, incorporamos o que estado inferior (no melhor sentido de inferioridade, como algo que nos permite dar a base para estarmos "acima"). O tridimensional é como é por conta do observador inteligente (que também está mergulhado num corpo 3D) e é capaz de construir algo para medir o tempo – intangível, imaterial e, mesmo que mensurável, continua sendo de uma esfera mais sutil que a do comprimento, largura e profundidade. Ainda estou tateando raciocinar neste campo das dimensões, não fechei questão. Vamos continuar relfetindo sobre isto. O fato é que nós Consciências (da dimensão mais sutil que cada um já pode acessar) estamos encarnadas no mesmo mundo 3D podendo acessar as dimensões mais sutis (4ª acima) em experiências como o desdobramento do corpo sutil correspondente (perispírito propriamente dito, corpo mental ou causal). Ou então os seres dessas dimensões mais sutis (seres humanos-terrestres desencarnados e/ou seres ultraterrestres – como diria C. Flammarion) comparecem na atmosfera 3D e interagem com os encarnados médiuns – no 1º caso – ou não – no 2º caso.
            Vamos nos exercitando e de já recomendo o livro UNIVERSO PROFUNDO de Pedro de Campos. Abs.

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de email não será publicado

    Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

    Postagens relacionadas